A Vida Bruta dos Animais do Céu” participa do Cine Qua Non

Laboratório de desenvolvimento traz novos caminhos para roteiro de Guilherme Zanella, com direção de Beatriz Seigner (Los Silencios) e produção da Abrolhos Filmes

O longa-metragem “A Vida Bruta dos Animais do Céu”, escrito por Guilherme Zanella e de produção da Abrolhos Filmes, foi selecionado e participado, entre os dias 20 de outubro e 10 de novembro, do Cine Qua Non. A organização, sediada em Morelia, no México, e em Nova York, nos EUA, apoia o cinema independente com residência e laboratórios para o desenvolvimento de roteiros. 

O programa do qual o filme fez parte, o Revision Lab, que ocorreu no formato online em 2020, reúne roteiristas de diversas nacionalidades. Com o acompanhamento de um consultor, em reuniões regulares, os participantes leem e discutem os projetos dos outros, e apresentam imagens, referências e moodboards. Há, ainda, dois encontros individuais, um inicial e outro final, com o consultor, que esmiuça os detalhes do roteiro e indica encaminhamento.

“Conheci histórias incríveis, dos quais realmente virei fã, e um processo de reconexão e imersão muito grande em meu próprio roteiro. Aumentamos o volume dramático, trazendo elementos do primeiro tratamento e trabalhamos temas que podem ser mais explorados e potencializados ”, relata Zanella.

A participação no Cine Qua Non faz sentido para a estratégia de produção de “A Vida Bruta…”, que mira parcerias internacionais e, mais especificamente, italianas. “Desde o início, a intenção sempre foi levar o projeto para fora e testar sua universalidade. Primeiro, porque a narrativa tem uma conexão muito grande com as raízes europeias do sul do país e, segundo, porque está muito difícil de captar recursos no Brasil ”, explica o roteirista. 

Para ele, o contato com a consultora no Revision Lab foi decisivo para abrir uma porta internacional para o projeto, já que “ela apresentou uma visão muito rica do mercado de fora, deu diversas dicas de onde apresentar e, inclusive, quais as palavras- chave mais apelo com produtores estrangeiros”. 

Com não só no Cine Qua Non, mas em outros laboratórios, como o brasileiro Novas Histórias – especificamente para o qual escreveu o “A Vida Bruta…” -, Zanella avalia tais programas como experiência essencial para uma fase de desenvolvimento. “Eles não só têm o crivo do mercado, mas promovem um processo de imersão que nenhum festival ou concurso pode proporcionar”, afirma. 

Com a última reunião marcada para fevereiro, o próximo passo é escrever um novo tratamento contemplando o aprendizado do Revision Lab e o acompanhamento criativo da diretora Beatriz Seigner (Los Silencios). O roteirista destaca também o suporte da produtora-executiva Laura Barzotto e a Abrolhos Filmes em todo o processo: “Há cuidado, acompanhamento e tentativa ativamente encontrar caminhos para a produção, como festivais e mercados. Graças a Abrolhos, pude trabalhar com a Beatriz, cujo trabalho admiro muito. O projeto foi realmente elevado a outro nível ”, declara. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *