O poder do roteiro no video content

“Para fazer um grande filme, é preciso três coisas – o roteiro, o roteiro e o roteiro”. Uma frase famosa do diretor britânico Alfred Hitchcock ao princípio faz referência ao cinema, mas é aplicável a qualquer tipo de produção audiovisual, inclusive – e principalmente – a de marketing. Um modelo de um roteiro criativo e bem estruturado aumentou conforme a mensagem tornada-se o ponto central de campanhas e, com a pandemia de 2020, chegou a seu ápice. 

 

Uma combinação de fator criado ou roteiro ainda mais poderoso neste ano. A tendência de procurar por boas histórias de marcas com como quais podem confiar e se conectar foi acelerada com o isolamento – explodiu o consumo de vídeos online por um público bastante fragilizado emocionalmente. Contribuíram também como limitações de deslocamento e encontros das equipes. Muito conteúdo feito por videochamadas ou com elencos e locações mais simples e enxutos. 

 

Nesse sentido, passa a ser mais valoroso e importante para as marcas investir em bons roteiros .Todo vídeo de campanha, assim como filmes e séries, começa com uma boa ideia desenvolvida com palavras no papel. A função do roteiro é fundamental, organizar e orientar o fluxo da produção para que tudo seja bem amarrado e que o resultado final gere nenhum público a reação esperada. Ele é o core de um bom conteúdo audiovisual de marketing. 

 

Sabendo disso, para pensá-lo, parte-se da ideia de que a fronteira entre publicidade e entretenimento quase não existe mais. Isso quer dizer que as narrativas emocionantes do cinema são a maior fonte de inspiração para um bom roteiro para o marketing (Leia mais sobre isso no artigo “Cinema é o elixir do novo marketing” ). Além disso, a temática deve estar alinhada com os valores da marca, que servirão como pontos de conexão com o consumidor. 

 

Um exemplo interessante e criativo de 2020 foi a campanha “# SejaMaisCriança” do Bradesco , a que mais teve visualizações no Youtube em outubro. O que ela tem a ver com os serviços bancários? Nada. Em um contexto de medo e apreensão, no “Mês das Crianças”, o banco criou um roteiro sensível, bem construído e que consegue segurar a atenção – e o coração – dos espectadores. O momento não é de falar sobre um novo serviço ou aplicação financeira, mas de mandar uma mensagem de conforto às famílias.

 

Na Abrolhos, desenvolvemos a campanha de reabertura da Pinacoteca de São Paulo , em que mostramos a parte externa do museu e um funcionário de máscara dando boas-vindas aos visitantes. Um desafio foi produzir documentários por videochamadas, como anunciar para a ABVO (Associação Brasileira de Velejadores Oceânicos). Faz parte da construção do roteiro também pensar em perguntas inteligentes, principalmente em desvios à distância, para extrair depoimentos e histórias emocionantes. 

 

Não “novo normal”, grandes produções já podem ser levadas adiante novamente, com todos os cuidados, mas permanecerão como transformações causadas pelo isolamento. Em 2021, os bons roteiros continuarão a brilhar para o cinema e na publicidade.

Imagem de Lukas Bieri por Pixabay 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *